‘Não ver a internet como uma grande aliada seria um erro para qualquer um’, diz Carol Bensimon

16 10 2009

Por @brunogalo e @livia_wachowiak

Carol Bensimon deixou a carreira de publicitária para ser escritora. Ela começou contribuindo com revistas literárias, um fanzine eletrônico e mantendo um blog. Carol já publicou dois livros: ‘Pó de Parede’ (Não Editora) e ‘Sinuca embaixo d’água’ (Companhia das Letras) e pode ser acompanhada por seu site e Twitter. Carol foi nossa décima sétima entrevistada.

Carol Bensimon

* foto de www.insanus.org

O meu trabalho nasceu na internet. Quero dizer, quando comecei a escrever, o melhor método de divulgação era mesmo pela rede. Comecei com fanzine por mail, tive blog desde cedo, escrevi para revistas literárias virtuais… essas são, na maioria das vezes, as únicas opções de um escritor iniciante.
Agora que pude passar finalmente ao suporte “livro”, que é, no fim das contas, o objetivo de todo mundo, a internet participa de uma maneira importante na divulgação das minhas obras, e no retorno que tenho dos leitores, seja porque escrevem em seus blogs comentários sobre os livros, seja porque colocam algo a respeito no twitter, seja porque me escrevem emails”, disse Carol em entrevista também feita por email.

“[as mudanças pelas quais a indústria literária vem passando são positivas ou negativas?] Positivas, é claro, ainda que a relação novas tecnologias e indústria do livro seja ainda meio tímida. Quanto ao poder e liberdade do escritor em relação às editoras, bem, não sei se é possível afirmar que haja mudança nesse sentido (até porque eu seria pretensiosa demais se fingisse saber exatamente como se passava anos atrás, ou décadas atrás). O que concordo, isso sim, é que o escritor de hoje participa mais ativamente de tudo que diz respeito ao seu livro. Não deixa mais simplesmente na mão de editora. Mas é claro que, no fim das contas, isso vai de cada um, da personalidade de cada escritor”.

“Não há um caminho único para todos. De qualquer modo, não ver a internet como uma grande aliada seria um erro para qualquer um. Quanto ao fã, sim, há um contato regular com alguns, e muitos retornos de gente que leu meus livros e que quer comentar, ou simplesmente dizer para mim o quanto aquela leitura foi importante. Isso é ótimo, é maravilhoso“.

“Não gosto muito de fazer previsões, mas acho que o livro, como objeto, ainda tem muito tempo de vida. A maioria das pessoas ainda tem uma resistência muito grande a ler em uma tela (sou uma delas). De qualquer forma, os direitos autorais não costumam ser a grande e única fonte de renda de um escritor, ao menos não no Brasil. Não consigo pensar nem em meia dúzia que podem se dar ao luxo de viver de direito autoral“.

“Sem dúvida. O desafio agora é lidar com tanta informação. Mês passado, em São Paulo, vi uma série de telas instaladas em elevadores de prédios comerciais e hotéis, dando as notícias do dia, as cotações cambiais e etc. Achei aquilo o perfeito reflexo do nosso tempo. Me dá medo. Será que não podemos passar 10 segundos sem receber nenhum tipo de informação?

Leia Também:
‘A maioria das práticas de hoje coloca as pessoas na ilegalidade e transforma a criatividade juvenil em pirataria’, diz André Lemos


E aí, se interessa pelo assunto? Quer saber mais sobre a cultura na era digital? Para ficar por dentro de tudo que rola por aqui assine o feed RSS do nosso blog ou siga-nos no Twitter!

 

Anúncios







%d blogueiros gostam disto: